Cadê Xoxó?

12 12 2008

Depois do Pó Para com o Pó, vem aí o outro estrondoso sucesso do nosso querido Carnaval 2009.

 

Com vocês: Cadê Xoxó?

 

Xoxó tá aqui
Xoxó tá lá
Xoxó tá em todo lugar
Xoxó tá sacudindo de novo
Xoxó tá alegrando esse povo

 

Fui!

Ivete Sangalo

 

No iPod toca: Down Under – Men At Work

O tempo lá fora é de: nublado e friozinho.





Tema da 20th Century Fox tocado com as mãos

4 12 2008

O vídeo abaixo muita gente já deve ter visto, mas não posso deixá-lo passar.

 

Com vocês, o tema da Fox tocado com as mãos.

 

 

Haja habilidade merrrmão!

 

Fui!

Edward Mãos de Tesoura

 

No iPod toca: É Guaraná – Tihuana

O tempo lá fora é de: Sol gostoso.





Rambobells!

4 12 2008

Em ritmo de natal, até o Rambo fica sentimental.

 

Senhoras e Senhores, Rambobells:

 

CLIQUE AQUI!

 

Valeu!

Soldado Ryan

 

No iPod toca: Berimbau – Vinicius de Moraes

O tempo lá fora é de: Sol gostoso.





Pó Para com o Pó!

24 11 2008

O mais novo hit do verão!

 

PÓ PARA COM O PÓ! Cantando por Jake!

 

Confira e boas festas:

 

Repararam na coreografia?

Na hora do , você tem que colocar a mão no nariz!

 

Até a próxima,

Padre Marcelo Rossi

 

No iPod toca: Easy – Faith No More

O tempo lá fora é de: nublado.





Van Halen: Panama no Panamá!

30 10 2008

 

Como uma vez eu pirei com os meus amigos de faculdade (http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=195169):

 

Imagina o Van Halen tocando Panama no Panamá!

 

Juro, a galera ia ficar maluca.

 

No iPod toca: Panama – Van Halen

O tempo lá fora é de: bem agradável.





Gordinha + Webcam + Música + Mesa – Cóccix

17 10 2008

Depois que inventaram a webcam, a internet sofreu uma invasão de vídeos com gatinhas, gatões, gordinhos e gordinhas realizando apresentações memoráveis.

 

São canções interpretadas, atores em início de carreira e cenas que nossa memória jamais esquecerá.

 

E com certeza, essa é mais uma delas.

É só clicar:

http://xpock.tv/play.php?vid=1169

 

Acho que doeu.

André Marques

 

No iPod toca: Pour Some Sugar on Me – Def Leppard

O tempo fora é de: bem agradável.





Hermes e Renato: Também sou Hype

16 10 2008

Mais uma dos caras do Hermes e Renato aqui no Muito Horrorshow.

 

Depois do Coração Melão, Unidos do Caralho a Quatro e do fenômeno mundial Massacration, os caras lançaram mais uma banda que é certeza de sucesso nas rádios de toda garota de 20 anos que adora a Galeria Ouro Fino.

 

Meninos e Meninas, com vocês:

 

TAMBÉM SOU HYPE

Até a próxima,

Brandão ouvindo um tiquinho assim, desse tamaninho de Carimbó!

 

No iPod toca: Satisfaction – Rolling Stones

O tempo lá fora é de: calor viu.





Vídeos pela manhã!

30 05 2008

Galerinha Horrorshow, três vídeos para vocês.

Aproveitem!

My Evil Cell Phone!

Truque com Dados!

e o melhor de todos:

Hitler cantando pra galera!

Um carinho,

Sr. Tube

No iPod toca: Coração – Ira!

O tempo lá fora é de: chuva e friozinho.





Quem criou o Grito? Fla X Inter

3 03 2008

Desde o ano passado, assim acredito, uma onda com novos cânticos de torcida e formas de motivar o time vem se alastrando através de muitas torcidas de clubes brasileiros.

São gritos sem palavrões, fazendo juras de amor aos times de coração e sempre emocionando e arrepiando jogadores, torcedores e jornalistas. As torcidas que criaram os tais gritos, vem ganhando fama e mídia. E de uma forma bem saudável diga-se de passagem, sem violência, mortes e xingamentos.

Parece que as tão mal faladas e criticadas torcidas organizadas perceberam, de forma tardia infelizmente, que torcer de uma forma bem humorada e criativa trazem muito mais adeptos e colaboradores do que da antiga (??) forma. Afinal, cantar nas arquibancadas: “Mato um, mato cem” não é das melhores coisas a se fazer.

Quem sabe, essa nova onda não perdure e possa mudar a imagem tão suja que essas torcidas possuem. E não tenho dúvidas que essa pode ser uma nova tendência que só beneficiará o futebol brasileiro. É um jeito de torcer tão bacana, que todas as torcidas deveriam adotar.

Mas o post vem para falar uma polêmica que vem se criando nos últimos dias.

A torcida do Flamengo ganhou espaço em todos jornais televisivos com gritos sensacionais. São muitos, porém o mais famoso nos dias de hoje – ganhou até legenda na Rede Globo – é o baseado no Tema da Vitória, música que ficou famosa nas corridas de Fórmula 1, especificamente quando um brasileiro ganha a prova. Ayrton Senna era personagem cativo junto com a música.

Porém, os torcedores do Inter juram de pé junto que foram eles que criaram o grito, a letra e a idéia em utilizar a famosa melodia. E a discussão entre torcedores de ambas equipes vem gerando inúmeros comentários no YouTube e blogs diversos.

Mas afinal, quem foi o bem sucedido criador do grito baseado no Tema da Vitória? Os cariocas do Flamengo, que ganharam a autoria da televisão brasileira, ou os gaúchos do Inter, que dizem que gritavam a canção muito antes dos flamenguistas.

Veja abaixo as duas versões, a colorada e a rubro-negra e tirem suas próprias conclusões.

Inter:

Flamengo:

O fato é: que bom seria se todas as torcidas fossem assim!

Até a próxima,
Galvão Bueno

No iPod toca: Bondallica – Bonde do Rolê
O tempo lá fora é de: Manhã agradável.
O Mac não dá pau desde: 21/01 (41 dias)





Windows Musical

19 02 2008

E quem diria, os barulhinhos irritantes do Windows nos renderam algo de bom.
Alguém, sem muito o que fazer diga-se de passagem, fez uma música com todos os sons que o seu Sistema Operacional Preferido pode te proporcionar.

Confira o resultado abaixo:

Uma palhetada,
Bill Gates

No iPod toca: Sobre o Tempo – Pato Fu
O tempo lá fora é de: Começo de noite agradável.
O Mac não dá pau desde: 21/01 (29 dias)





Melô do Lasier

31 01 2008

Bom, o vídeo do Lasier Martins tomando choque ao segurar uma uva em uma reportagem para – acredito eu – a Rede Globo gaúcha, já rendeu muitas visitas e inúmeros comentários no YouTube.

Mas durante a produção do meu PGE, o Projeto de Graduação da ESPM em julho passado, eu e meu grupo descobrimos na rede mais uma nova versão desse ilustre e famoso vídeo.

Trata-se do Melô do Lasier, uma versão musicada – e muito bem feita, diga-se de passagem – do momento em que o velhote toma o inevitável e inesperado choque.

A música tornou-se lema da nossa reta final de trabalho e rendeu boas risadas e cantorias com os versinhos que vocês podem conferir na integra a seguir.

A produção ficou muito boa, mas escutem vocês mesmos:

Um grande Beijo,

Bruno “Estas mais de mesa” Pederneiras.

No iPod toca: Cisco Kid – Sublime
O tempo lá fora é de: Tarde Muito Ensolarada.
O Mac não dá pau desde: 21/01 (10 dias)





Ópera na Terra da Rainha

29 11 2007

paulpotts 

Ultimamente ando emocionado em demasia, talvez por motivos particulares e momentos nebulosos que tenho vivido. Porém, em toda minha vida, duas coisas sempre me emocionaram, e você, leitor deste blog, já deve ter percebido quais são elas: futebol e música. 

Mas nesta questão, posso ampliar o tópico futebol para a gama de todo o Esporte. O Esporte em si, atiça e provoca reações em mim, que eu mesmo não poderia imaginar que existiam dentro de mim. E vejo-me, em momentos gloriosos do esporte, a escorrer lágrimas espontâneas, daquelas gostosas de se chorar. 

Porém, há um tempo atrás recebi em meu e-mail um vídeo de uma espécie de “ídolos” britânico, mas era na verdade um tipo de Show de Talentos Variado, não somente de cantores. O título da película era único e objetivo: Emocionante.  

E lá fui eu: abri o arquivo e pronto. Ao final estava chorando, em frente ao meu computador de casa – pelo menos não foi no trabalho. Deixo assim, o vídeo para todos e continuo minhas observações após vocês, queridos leitores, terem o assistido:

 

Viram crianças? 

Paul Potts é gordinho, tem os dentes tortos, é feio, vende celulares e foi lá cantar Ópera. Justamente ópera, algo que se deve cantar muito bem para se propor a fazer – e na frente de milhões de espectadores. Podemos deixar de lado os efeitos da edição, mas é possível perceber o espanto dos jurados quando o participante diz que irá cantar algo Lírico. É certeza de bomba pela frente. 

Mas não, Paul Potts encanta, surpreende e emociona. Não existe nada mais arrepiante e incrível do que sentir aplausos frenéticos e constantes. Dados por pessoas que realmente querem aplaudir e para alguém que realmente merece. Enfim, você pode ou não se emocionar como eu me emocionei. Mas a música, o ápice da canção, a surpresa, a coragem e a 1ª impressão equivocada que todos tiveram, me fazem chorar, praticamente, em todas as vezes que eu assisto Paul Potts em seu 1º teste. 

Foi a prova máxima de superação, performance surpreendente e uma lição para todos nós, daquelas mais clichês impossíveis: nunca julgue uma pessoa sem a conhecer.Espero que vocês possam gostar e se emocionar como eu. E vida longa ao Paul Potts.  

Em tempo: Paul foi o vencedor do programa e segundo eu entendi, gravou um cd, angariou sucesso e fez uma apresentação exclusiva para a Rainha. Seu 1º disco foi batizado de “One Chance” e foi justamente isso que ele precisou.

Update (30/11):

Outro gordinho incrível, porém agora na versão americana do programa.

Muito bom!

No iPod toca: Freak – Silverchair

O tempo lá fora é de: fim de tarde ensolarado.





A vida começa após às 23h: Devotos da Álvaro Alvim no Remelexo!

23 10 2007

SampaNoite

Por mais que a minha preguiça possa dizer o contrário, quero e teimo em acreditar que grandes momentos de nossa vida acontecem somente após a queda do sol, com a chegada do céu escuro. 

E ainda mais, para nós, aprendizes a músicos, sonhamos sempre com uma carreira promissora e vadia em bares e casas noturnas de nossa cidade. É quase utópico chegar a se sustentar pela noite, Bruna Surfistinha que o diga.  

Imaginem só: trabalhar com o que se gosta, tomando cerveja, dormir de tarde e o melhor de tudo, acordar de tarde sem ter que dar satisfação em um escritório gelado. Mas melhor do que isso, é tomar porte dessa rotina, mas conhecendo e aproveitando as noites de cidades, países e continentes diferentes. Bendito seja o U2.

 A noite ainda pode nos proporcionar momentos e personagens ilustres e únicos, são pessoas que só vivem a noite, personalidades que se tornam reais somente com a chegada das estrelas e fatos que se tornam expoentes somente no frio das 3 horas da manhã. 

Mas rodei e produzi este pequeno texto sonhador e introdutório para somente lhes dizer que minha banda, que já foi ilustrada a vocês em alguns posts abaixo, irá dar um pequeno passo rumo a essa carreira meteórica, milionária e poligâmica (Ai!) pela noite.   

Nessa quinta-feira, iremos inaugurar a era de samba-rock de uma famosa casa de forró aqui da Paulistânia Desvairada. Devotos da Álvaro Alvim irão expandir suas fronteiras e rumam firme e forte em busca da conquista do mundo. E não to falando em tom de brincadeira! 

Quando comecei a tocar lá pelos idos de 2000/2001, sempre sonhei em ganhar dinheiro com música. E acho que esse foi o primeiro grande passo dado para este sonho tornar-se realidade. Mas tem uma questão interessante nesse monetário processo, amigos leitores, que refere exatamente e particularmente às suas pessoas e bolsos recheados, afinal o dinheiro que irei ganhar nesta primeira aventura virá principalmente…de vocês! 

Afinal, quem mais iria convidar para presenciar 2h do melhor do Samba Rock da banda universitária mais bem falada dos últimos meses? Vocês é claro. 

Confiram abaixo o flyer bacanérrimo (é só clicar que ele fica maior) que preparamos para essa noite e já façam as suas programações para a madrugada de quinta-feira, vocês sabem, os rapazes dos Devotos da Álvaro Alvim merecem! 

E tem mais, não imagine que topamos tocar somente com o céu escuro. Pintando um churrasco, festinhas de crianças, bodas de papel ou casamento na praia, contratem os Devotos! Você não irá se arrepender. 

Nos vemos na quinta-feira,

Um beijo. 

Jorge BenJor.

Qualquer dúvida, entrar em contato pelo MSN: brandao_graz2@hotmail.com

 FlyerDevotos01

No iPod toca: Desaparecido – Manu Chao

O tempo lá fora é de: fechado e friozinho





E agora Gregório? Móveis Coloniais de Acaju

19 10 2007

M

Desde o surgimento dos Los Hermanos em 1999, com o o seu Cd nominal, não enxergava e ouvia nenhum expoente do Rock/Pop nacional de qualidade. O Skank evoluiu bastante e hoje em dia possui ótimas composições e já são chamados como os Beatles tupiniquins, mas não sou muito fã dos mineiros. Já o Jota Quest possui pegada que poucas bandas possuem, com influencias de funk e soul bem interessantes, porém também não sou muito adepto destes outros mineiros.

Charlie Brown Jr, Detonautas, CPM 22, Dead Fish, Tihuana e etc, trouxeram aquele Rock’n’Roll e Hardcore juvenil e despreocupado, porém, para mim, só algumas canções se salvam. Prefiro nem citar e comentar a enxurrada de bandas EMO por aí e a nova queridinha da MTV, a Pitty. Ambos os estilos e sons não me agradam.

Mas no ano passado, me falaram de uma banda de Brasília que vinha causando alvoroço por aí, o Móveis Coloniais de Acaju. Nome sugestivo eu pensei, mas vocês leitores já devem pensar: de nomes grandes o Horrorshow gosta, vide Engenheiros do Hawaii.

De início não me interessei muito, andava meio desanimado com o cenário nacional, mas quando me falaram que os rapazes tinham influências de SKA, mudei a minha disposição e baixei seus dois discos ao chegar no conforto do lar: Um EP de 2001 e um disco oficial, de 2005 chamado “Idem”. E para a felicidade e surpresas de vocês moças e rapazes – ou não – eu gostei do que ouvi. Animação, letras inteligentes, toques de Ska, uma banda entrosada e um vocalista com uma voz que me agrada.

Ainda não tinha os assistido ao vivo e para sanar a minha curiosidade e ânsia de motivação, tive esta oportunidade através de um programa da Rede Globo, com artistas tocando covers do Raul Seixas, coincidência ou não, afinal o Móveis possui uma música que se chama: Raul. E fiquei mais satisfeito ainda, os meninos tem presença de palco, noção artística e demonstram um tesão por aquilo que fazem.

Baixei vídeos do YouTube e agora aguardo por um show deles em Sampa para assisti-los de perto. Sendo assim, deixo minha dica para vocês, onipresentes leitores, tentem conhecer o Móveis Coloniais de Acaju. Banda deveras interessante, prometendo uma longa e criativa carreira pelo nosso Brasil – assim espero e torço.

Atualização do dia 23/10: tive o prazer de comparecer ao show do Móveis neste último sábado em um festival de bandas de minha ex-faculdade, a ESPM. Só digo uma coisa: façam o mesmo, a experiência é única. 

A banda é composta por: André Gonzáles (voz), BC (guitarra), Beto Mejía (flauta transversal), Eduardo Borém (gaita cromática, escaleta e teclados), Esdras Nogueira (sax barítono), Fabio Pedroza (Baixo), Leonardo Bursztyn (guitarra), Paulo Rogério (sax tenor), Renato Rojas (bateria) e Xande Bursztyn (trombone).

O site é: www.moveiscoloniaisdeacaju.com.br e a banda disponibiliza todas as suas músicas para download! Aproveitem!

Até uma próxima meninos e meninas, um beijo a todos!

No iPod toca: Swing Hum e Meio – Móveis Coloniais de Acaju
O tempo lá fora é de: Garoa fina e tempo fechado.





Dá o play nesse seu iPod!

21 09 2007

Êta aparelhinho sacaninha é esse iPod. Sinceramente, pensava que ia conseguir sair ileso da mania do tocador de mp3 branquinho da maçãzinha, mas não consegui. E como já dizia Péricles Chamusca: se você não vai até o iPod, o iPod vai até você.

E em uma sexta-feira chuvosa, recebo o fatídico telefonema da minha tia: Bruninho, você tem um iPod?. Eu, inocentemente respondo: Não, por quê? Ela retruca, com a fúria de um vendedor de enciclopédias: Então passa aqui em casa pra pegar um. Eu ganhei e não vou usar.

E lá fui eu, peguei meu carrinho pretinho e fui pegar o aparelhinho branquinho. E pasmem garotas e garotos, desde aquele dia virei fã da coqueluche de Steve Jobs. Puta que o pariu, que negócio útil. Pelo menos pra mim.

Muitas coisas mudaram no meu cotidiano após o iPod, como por exemplo: dar uma cagadinha, agora é muito mais divertido – perdão ó Turma da Mônica – mas não tem nada melhor do que sentar no trono ouvindo “Oops, I did it again”. Posso também dormir embalado ao som de canções românticas e melancólicas.

E como meu modelo suporta vídeos – suspiro -, tenho praticamente todos os meus links favoritos do YouTube na palma da mão. Camaradinhas, pensem bem: não tem sensação melhor do que ir ao dentista e ficar na sala de espera vendo o “Dramatic Chipmunk” trocentas vezes, uma atrás da outra. Qualquer obturação passa a ser um programa no mínimo divertido.

E vocês podem pensar assim: mas um mp3 player faz tudo isso e mais um pouco! Mas cara, olha bem para um iPod. Ele é branquinho, lisinho, simpático, tem rodinhas para volume e uma maçã mordida atrás! Irresistível.

Achava que nenhuma outra marca iria me conquistar, além do Fusca – tema de um post logo mais. Mas o tocador de MP3 da Califórnia cativa. Talvez como todas as coisas vindas da Califórnia. Ah a Califórnia.

Enfim, se o iPod fosse uma pessoa, ele seria o Brad Pitt gente boa. Eu acho.
Hey Steve Jobs, manda o meu pagamento!

No iPod toca: Bleeding Me – Metallica
O tempo lá fora é de:
Nublado e garoa fina