Tropa de Elite na Gringa

22 09 2008

A pedida da vez é assistir ao trailer americano produzido para o filme Tropa de Elite. Uma edição feita para que o nosso sucesso brasileiro ficasse com a cara de um longa americano. Não deixa de ser uma diferente visão do filme.

E reparem na classificação feita para a cidade do Rio de Janeiro: “A cidade mais perigosa do mundo”.

Agora é só clicar no link abaixo e você será direcionado para a página dos filmes da Apple.

http://www.apple.com/trailers/independent/elitesquad/

Dica do Jonis: www.jonis.carbonmade.com

Valeu!

Cap. Nascimento

No iPod toca: Until It Sleeps – Metallica

O tempo lá fora é de: bem gostoso.

Anúncios




Making Of de uma Produção Pornô! \o/

6 06 2008

Taí uma coisa que não costumamos ver sempre: making of de filme pornô! A gente que está acostumado a somente assistir as partes boas, indo para os momentos que nos interessam, nunca paramos para ver o “backstage da coisa”! Só os das atrizes (Hã, Hã, pegou, pegou?!).

Mas agora, a gente pode ver o outro lado dessas incríveis e inspiradoras produções! É só conferir acessando o link abaixo e reparar na agilidade dos caras com os cotonetes!

Atenção: as imagens são só para maiores de 18 anos!

Clique já: http://ziza.ru/2007/01/24/kak_snimajut_porno_179_foto.html

Dica do Carlão aqui da Agência: http://carlosaraujo.carbonmade.com/

Um beijo,

Vivi Fernandez

 

No iPod toca: Meus Inimigos – Tim Maia

O tempo lá fora é de: fim de tarde agradável.





IMP Awards: pôsteres em alta qualidade!

19 05 2008

Quer encontrar um incrível arquivo de pôsteres de cinema do mundo inteiro? Quer baixá-los em um tamanho de alta qualidade? Quer saber onde comprá-los? Então este é o seu site:

http://www.impawards.com

Um dos sites mais bacanas que me mostraram nos últimos dias!

Aproveitem!

Um até logo,

Alec Baldwin

No iPod toca: I Don’t Know – The Blues Brothers

O tempo lá fora é de: pra lá de agradável!





Rááá: Ópera do Mallandro

13 05 2008

Sérgio Mallandro, um dos maiores ícones dos anos 80, sempre nos proporcionou momentos de risadas gratuitas e prolongadas.

Mas desde o seu extinto programa na CNT, nas madrugadas de sábado, o eterno namoradinho da Xuxa, ficou um pouco longe da mídia.

Sérgião fazia no máximo aparições, como no Hermes e Renato, cooperando até em uma música do Massacration: Metal Glu-Glu.

Mas em 2007, o cineasta e músico André Moraes fez o curta-metragem “Ópera do Mallandro”, que conta a história de um garoto (Michel Joelsas, de “O Ano Em Que Meu Pais Saíram de Férias”) que precisa fazer uma redação em 15 minutos, em sua última prova recuperação.

O curta faz divertidas novas leituras de clássicos de Sérgio Mallandro, contando com uma produção musical de respeito e atores renomados. São nomes como: Lázaro Ramos, Luciano Szafir, Wagner Moura, Lúcio Mauro Filho e o próprio Sérgio Mallandro.

O curta é divertidíssimo e nos faz lembrar de diversos ícones dos anos 80. E navegando por aí, encontrei o link para assistirmos o curta na integra! É só clicar e aproveitar:

Ópera do Mallandro

E aí, saiu cantando as músicas?

Tomara que sim.

 

Um grande beijo,

Xuxucão

 

No iPod toca: Sloop John B – Beach Boys

O tempo lá fora é de: Frio e nublado





Procura-se Kiwi Bill!

31 01 2008

Ano passado, quando fui ao Rio assistir ao The Police e passar o reveillon em Copacabana, ambos eventos juntos de minha namorada, ao andarmos pelo metrô, nos deparamos com alguns outdoors no mínimo curiosos.

Eram anúncios para a Hortifruti, a maior rede do Brasil no ramo, com o slogan: “Aqui a natureza é a estrela”. Nessas peças, frutas, legumes e verduras, eram representadas como paródias de filmes.

Os cartazes dos filmes em questão eram refeitos e postos como os produtos sendo os atores e atrizes principais e participando do nome do longa metragem.

São exemplos:

– A Incrível Rúcula
– Kiwi Bill
– A Outra Alface
– E o Coentro Levou
– Berinjela Indiscreta
– O Quiabo veste Prada
– Limão Impossível

Pode parecer infame e babaca, mas me agradou (em partes é claro!). O outdoor, pelo que pude perceber, rende sorrisos sinceros, lembrança de marca e joga uma simpatia a simples verduras e frutas. E ainda completando o conceito, frases eram colocadas estrategicamente para finalizar as idéias, como por exemplo: “Ele fez uma promessa: quem não comprar no Hortifruti vai pagar caro” no caso do Kiwi Bill.

Porém, nos momentos estava sem câmera fotográfica e não consegui registrar tais peças. Peço então que se alguém possuir estas imagens pudesse, na gentileza, mandá-las para mim afim de publicá-las aqui no blog para dividir com vocês, vertebrados leitores, a sinceridade destes outdoors.

Ou se alguém souber a Agência criadora, por favor também me dizer.

Um beijo a todos,
Quentin Tarantino

Update:

Opa Opa!

Com a ajuda da Helô, minha namorada que viu os outdoors junto comigo, achamos as peças no site da Agência que as criou. (Na realidade foi ela que achou!)

A agência se chama MP Publicidade e o site é esse: www.mppublicidade.com.br

Descobrimos também que além das Mídias Externas, a Campanha tinha suporte também na TV e Mídia Impressa.

E a seguir vocês podem conferir algumas das peças que fizeram parte da campanha, inclusive o Outdoor teaser.Vocês só precisam clicar nos links que as imagens abrirão em uma nova janela!

Aproveitem!

Ah, se alguém possuir as outras, é só me mandar que eu publico!

Teaser:

Hortifruti Teaser

Limão Impossível:

Limão Imposs�vel

E o Coentro Levou:

E o Coentro Levou

A Incrível Rúcula:

A Incr�vel Rúcula
Uptade 2:

Ao visitar o Saber é bom Demais! com o link aqui: http://wordpress.moreiracastro.com/ , pude encontrar dois filmes para a campanha citada acima.

Quem queria ver, agora pode!

Aproveitem:

E o Coentro Levou:

http://www.mppublicidade.com.br/site/index.php?target=trabalho_visualiza&pid=478

Berinjela Indiscreta:

http://www.mppublicidade.com.br/site/index.php?target=trabalho_visualiza&pid=477

No iPod toca: Supper’s Ready – Genesis
O tempo lá fora é de: Sol e tarde gostosa.
O Mac não dá pau desde: 21/01 (10 dias)





Chama o Capitão Nascimento pra controlar a Pirataria!

2 10 2007

Nunca um filme, ou uma produção nacional, vazou de forma tão contundente e rápida como o recém-pirateado longa “Tropa de Elite”, de José Padilha e contando com Wagner “Assassino da Thaís” Moura e Milhem Cortaz no elenco.

Com estréia prevista para 12 de outubro nos cinemas tupiniquins, o filme espalhou-se pela Rede Mundial e pelos camelos de todo o nosso Brasil. E faltando, pasmem, mais de 4 semanas para a primeira exibição nas grandes telas.
Culpa de quem meu caro José Wilker?

Dizem que foi assegurado e confirmado que a Cópia Capitão Gancho foi feita na Produtora que estava inserindo as legendas em inglês para os nossos amigos Yankees. E tem até ator envolvido na clonagem proibida – aposto que foi para mostrar para a mãe.

E por incrível que pareça criançada, andando pelo centro de Sampa já é possível encontrar os “inéditos” Tropa de Elite 2, 3 e 4! Nem o Rambo conseguiria tal façanha em tão pouco tempo. Claro que são produções já feitas, que foram covardemente mascaradas e renomeadas.

Mas como esse blog não é policial, vou me concentrar em outra questão: até que ponto esse conto de fatos reais de pirataria escancarada prejudicou o filme? Irei além: a divulgação potencializada, dos casos de cópias ilícitas, ajudou na divulgação do “Tropa de Elite”? Sem as inúmeras noticias e chamadas em jornais, telejornais e portais, o filme conseguiria o mesmo resultado nos cinemas? É esperar pra ver.

Há quem diga, principalmente os jovens fanáticos pela gostosa Teoria da Conspiração, que o suposto caso de pirataria, foi obra elaborada pela equipe do próprio longa, buscando uma maior visibilidade da obra. Será? Acredito que não.

Porém, acho que sim, o filme foi extremamente beneficiado pela ocorrência policial. Agregando, é claro, o chororô dos policiais cariocas pedindo a proibição da veiculação da produção, alegando falsas caricaturas dos serviços prestados e realizados por tal sagrada e respeitada instituição. E também devido à estratégia coxa em realizar a estréia – escondida – do filme em um cineminha de bairro de Jundiaí, a fim de credenciar o longa à concorrência para o representante nacional do Oscar de 2008. Estratégia que não deu certo, afinal foi o excelente, “O ano em que meus pais saíram de férias” do criador do Castelo Ra-Tim-Bum, Cao Hamburguer, que faturou o caneco.

E eu e vocês, benditos leitores, teremos que esperar pelo lançamento mulambento, ou não, do “Tropa de Elite”. Iremos conferir de perto como se comporta o público de cinema: as salas irão lotar e surpreender seus produtores e distribuidores? Ou não, a maioria não agüentou, sofreu com a curiosidade e viu o filme antes da hora, gerando assim uma bilheteria abaixo do esperado.

Eu já vi. Mas digo o que a maioria diz: não fui eu que comprei, foi emprestado.
E só pra deixar um gostinho na boca: gostei bastante do que vi.
E para deixar o pessoal decepcionado: não irei ao cinema para vê-lo novamente.

Um beijo a todos,
Soldado “usuário da pirataria” Brandão.

No iPod toca: Good Vibrations – Beach Boys
O tempo lá fora é de:
solzinho gostoso.