MAC X PC

29 01 2008

Desde o dia 21 de janeiro estou de emprego novo em uma nova agência. Mas além dos clientes e companheiros de dia-dia de criação, será a primeira vez que irei trabalhar full-time com um Macintosh.

Nas agências que já tinha passado anteriormente, tinha trabalhado somente em PC’s, enquanto a maioria dos diretores de arte em Macintosh. Mas redator que sou, já viu né.

Pois então, antes dessa nova experiência, minha vida inteira foi regada a Windows e PC, será a primeira vez que estarei em contato com um MAC por muito tempo.

Sendo assim, prometo um desafio à coqueluche do Steve Jobs. Já que o MAC é famoso por sua aversão a travamentos e vírus, contarei pelos meus posts, se o computador da maçãzinha é realmente forte. Contarei todos os dias que ficarei com o computador sem dar um “pau”. Lembrando que uso o computador para tarefas simples: word, internet, vídeos, entourage e músicas. Abrindo quase sempre o itunes, Power Point e os programas gráficos da Adobe.

Lembrando que estou trabalhando em um PowerBook G4, 1.33 GHz e 768MB de memória. Sistema Operacional Mac OS X – 10.4 – Tiger.

Desde o dia 21 o MAC não deu pau, não ficou lerdo e não me obrigou a aplicá-lo um reset. Vamos ver até quando ele agüenta. Vocês podem acompanhar o status logo abaixo, junto com os tópicos do iPod e do tempo.

Deixo como forma de diversão, dois vídeos com filmes das campanhas clássicas e divertidas da Apple: MAC X PC. Um deles com uma presença brasileira.

Bom Divertimento!

No iPod toca: Forever – Kiss
O Tempo lá fora é de:
Ainda chovendo.
O Mac não dá pau desde:
21/01 (08 dias).

Anúncios




O Gol Morcego!

29 01 2008

O performático Palermo, o que adora perder uns pênaltis por aí, inventou mais uma no último Super-Clássico na Argentina.
Ele fez o que ficou conhecido como o GOL MORCEGO.
Confira uma reportagem sobre o gol e o vídeo do mesmo:

http://globoesporte.globo.com/ESP/Noticia/Futebol/Campeonatos/0,,MUL277505-4840,00.html

Um beijo!
Leônidas da Silva

No iPod toca: Todo Carnaval Tem Seu Fim – Los Hermanos
O tempo lá fora é de:
Chovendo pra caramba!





Bad Boys!

29 01 2008

O futebol brasileiro, devido as suas características monetárias e organizacionais deficitárias, possibilita que encontremos jogando pelos gramados esburacados do nosso Brasil jovens talentos de 18, 19 anos e craques em final de carreira, como o Edmundo. Encontramos também o Romário e Viola que já terminaram, mas ninguém fez o favor de avisar a eles.

E é com base em dois desses ilustres personagens que irei escrever este meu próximo post. Os bad boys Romário e Edmundo.

A dupla acima citada já nos proporcionou inúmeras manchetes escandalosas nos mais importantes jornais do país. E pintura no banheiro da boate, é acidente de carro, é soco no Paraguaio, é briga com torcedor e por aí vai. Exemplos não nos faltam.

Mas os dois, que foram dois exímios atacantes, já foram desafetos declarados. Brigaram em rede nacional, montaram a corte da discórdia do Vasco e muito mais. E para a vida nos pregar mais uma peça, hoje os dois se encontram novamente no mesmo time regido pelo Euricão: o Vasco da Gama.

Não estão mais brigados como antigamente, mas ainda um não janta na casa do outro e vira padrinho do filho do outro. E a situação atual ainda é mais curiosa porque o técnico da equipe é o próprio Romário, que junto a essa função acumula também, se assim desejar, a de Atacante da equipe. Já não demoro a pensar na possibilidade de: no banco, o “Professor” Romário, saca o Animal e coloca a si próprio no time titular.

Mas com todas as criticas feitas a ambos, sinto lhes dizer que iremos sentir falta da naturalidade que jogadores como esses dão entrevistas, aparecem na mídia e se relacionam com torcedores e repórteres. São eles, os raros exemplos de jogadores que fogem daquele terrível discurso padrão de jogador de futebol. Mas a culpa não é só dos praticantes profissionais do esporte bretão e sim também dos profissionais de jornalismo, que como os jogadores, repetem sempre a mesma coisa, mas em forma de perguntas:

– Como foi o jogo pra você Obina?
– Ah, foi bom. Seguimos o que o professor pediu, respeitamos o Atlético de Juiz de Fora que possui uma boa equipe e o importante é que conquistamos os três pontos.

Romário, Edmundo, Viola, Rogério Ceni, Vampeta, Betão, Fabio Costa, Vagner (volante), são alguns exemplos que me lembro de jogadores que dão entrevistas pra lá de interessantes. Iremos sentir falta deles, e principalmente dos polêmicos Bad Boys, os inesquecíveis jogadores de futevôlei que adoram praticar uma pelada no Maracanã.

E o gosto por essas figuras é tão intenso que virou até funk em tempos de Flamengo. Imperdível:

Valeu!
Roberto Dinamite

No iPod toca: Breaking the Girl – Red Hot Chili Peppers
O tempo lá fora é de: Chovendo pra caramba!